AMAMS solicita mutirão a equipe da CEDEC para socorrer Área Mineira da Sudene

 A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais acatou sugestão da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene – AMAMS e realizará uma grande articulação, em sistema de mutirão, para atender as vitimas da seca Área Mineira da Sudene. O compromisso foi assumido pelo coronel Fernando Antônio Arantes, chefe do Gabinete Militar e coordenador geral de Defesa Civil de Minas Gerais, durante o II Workshop para municípios afetados pela seca/estiagem em Minas Gerais, que reuniu os prefeitos e coordenadores municipais de Defesa Civil no auditório da AMAMS. Ele foi provocado pelo presidente da AMAMS, José Reis. De imediato, o Estado anunciou convênio no valor de R$ 20 milhões, através do Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas (IDENE), para perfurar poços e adquirir cisternas.

Para cumprir o seu compromisso, o Coronel Fernando Antônio Arantes, solicitou ao coronel Klevson Pires Martins, comandante da 11ª Região Militar, que as diversas unidades da Policia Militar façam um levantamento em cada município sobre a quantidade e situação de poços perfurados que ainda não estão em funcionamento, seja por falta de equipamentos ou energia elétrica. Isso pelo fato da corporação militar ser a única instituição pública em todos municípios mineiros. O evento ontem de manhã teve duas etapas distintas: A primeira foi no auditório para o público em geral e outra, com os prefeitos, no gabinete da presidência da AMAMS.

Na abertura do workshop, o presidente da AMAMS, José Reis comentou que o relatório agroclimatológico realizado pela Emater aponta que o Norte de Minas perdeu 85,4% da sua produção e o que mais preocupa é não há qualquer perspectiva de chuvas nos próximos meses e isso agravará os impactos sociais e econômicos. Salientou que o êxodo rural voltou a ocorrer, provocando o ressurgimento das tradicionais viúvas da seca. José Reis salientou também que a AMAMS e as entidades ruralistas negociaram a recuperação das dívidas rurais e aguardam apenas uma Medida Provisória para entrar em vigor. Além disso, a deputada Raquel Muniz criou a Comissão Externa da Seca, um novo mecanismo para buscar uma solução, mas lamentavelmente a bancada mineira no Congresso Nacional não tem dado a devida atenção a questão da seca.

Por isso, ele entende que Minas Gerais tem de apresentar um projeto político diferenciado para atender as vitimas da seca e uma das soluções seria a realização de um mutirão ainda esse ano, para tomar as medidas necessárias. Cita que existem 750 poços que receberão energia elétrica, o que implicará em mais de 4.000 famílias beneficiadas. Sugeriu ainda a retomada das obras das barragens de Berizal, Congonhas e Jequitaí e apontou que é necessário acabar com a divergência ideológico entre o Estado e União, para se conseguir a ajuda ao homem do campo.

O Coronel Fernando Antônio Arantes, coordenador geral da Defesa Civil de Minas Gerais afirma que é necessário cada município deixar pronta uma Comissão Municipal de Proteção e Defesa Civil e que em caráter emergencial, o governador Fernando Pimentel assinou um decreto homologando a Situação de Emergência nos 94 municípios, os deixando em condições de receber a ajuda. Ele entende que tem de acabar com a condição dos prefeitos ficaram mais  60 dias aguardando o reconhecimento nacional do decreto de Situação de Emergência.

O Tenente-Coronel Alexandre dos Anjos Ferreira, comandante do 55º Batalhão do Exército Brasileiro, mostrou que 19 municípios do Norte de Minas estão sendo atendidos na Operação Pipa e que o Governo liberou R$ 4,5 milhões no ano passado para essa ação. Porém esse valor é menos de 1/3 do que tinha sido liberado em 2014, que chegou a R$ 14,5 milhões. Um dos fatores de redução foi a fiscalização realizada pelo próprio Exército, sobre a realidade das demandas a fim de evitar qualquer tentativa de irregularidade por parte dos pipeiros.

Na reunião com os prefeitos, a principal reclamação foi a de que as ações de socorro às vitimas  da seca estavam demorando demais, para desespero dos municípios. O presidente da entidade, José Reis e o secretário-executivo Ronaldo Mota Dias pediram uma atenção especial para a questão da água para abastecimento humano e propuseram que fosse realizada uma reunião em Brasília, junto a Secretaria Nacional de Defesa Civil, visando obter os recursos para atender aos flagelados da seca nesse momento de crise. O Coronel Fernando Antônio Arantes se dispôs a participar dessa reunião em Brasília.

O Coordenador adjunto da Defesa Civil, Tenente-Coronel Juliano Cançado Dias salienta que os municípios do Norte de Minas estão sendo atendidos com programas de transporte de água, realizado a partir do Plano Municipal de Distribuição realizado pela Prefeitura.

O diretor geral do Idene, Gustavo Xavier Ferreira explica que esteve em Brasília procurando ajuda para a população castigada pela seca, mas não obteve êxito. Mesmo assim anunciou que amanhã estará assinando a liberação de R$ 20 milhões para a compra de cisternas e perfuração de poços que ocorrerão ainda esse ano. Porém cobrou o apoio dos municípios, pois não pode mandar eletrificar os poços sem definir quem assumirá a conta de luz. Ele explica que dos 485 poços liberados no ano passado, 185 já foram montados e estão em plena execução. Carlos Alencar, da Cemig, quem tem pedido de equipar eletrificar 968 poços e já tem autorização para 325, já realizou o serviço em 214.

 

Montes Claros, 06 de Junho de 2017.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *